sábado, 16 de junho de 2018

Suave lembrança

Não é de minha autoria, mas escrito há mais de cinquenta anos, em minha presença, revelou-se profético:
A imagem pode conter: planta e área interna

"Pudesse eu compor um poema friorento,
onde nós dois, de mãos entrelaçadas,
passeássemos num bosque
sob a chuva rala, o vento esquivo,
a névoa...

Não quero manhãs de sol nem resplendor de flores,
se nosso amor, o amor de todos os amores
foi uma chuva rala, um vento esquivo,
a névoa."

*            *            *

Leituras

Resende, 13 de junho 2018 – quarta-feira


Costumo diversificar minhas atuais reduzidas 'tarefas' - digamos assim...
Em meio a cuidados com a família, comigo, com a casa, gosto da internet (em parte), não gosto muito de TV, adoro ouvir música (eu disse música), saio pouco - mais por necessidade, para conferir a rua, por convívio ou algum motivo que apareça, ou seja, raramente algo programado. Minha preferência é a leitura. Disponho de tempo, esse luxo moderno - sem dinheiros, bens ou propriedades considero-me "ryyycaa" ;  almejo me tornar também "phyyynaa", ainda que gorda e/ou 'no fashion'.

No momento, estou enrolada aqui com "A estética do oprimido', de Augusto Boal. Parece que o pretexto é falar de teatro, mas vai além. Ou o contrário, ainda não decidi...

Enfim, estou gostando, embora - é claro - seus conceitos e argumentos não me seduzam completamente.
Algumas vezes, leio, paro, penso um pouquinho (só um pouco, porque cansa) e, se achar válido, publico na minha página do facebook a experiência. É isso.

Hoje, por exemplo:

“Nenhum de nós tem que ser melhor que ninguém; cada um de nós pode sempre ser melhor que si mesmo.”
*
“Gigantesca tolice é simbolizar a Justiça por uma mulher de olhos vendados quando ela deveria ter os olhos bem abertos para tudo ver e pesar.”
*
“Ética é o caminho por onde se pretende chegar ao sonho de humanizar a Humanidade. A ética repugna a persistência do instinto predatório em sociedades humanas, cujos resíduos selvagens ainda existem em nós.”
*
“Os mistérios do mundo são maiores que as respostas que sabemos dar. Ainda mais complexas são as perguntas que não sabemos perguntar.”
*
O extraordinário poder hipnótico da TV é levado ao paroxismo pelo frenético movimento da imagem. Sabemos que qualquer movimento é atraente por causa da sua imprevisibilidade – todo movimento cria suspense.
Ainda no berço, o olhar do bebê é atraído por qualquer coisa que se mova, principalmente se tiver cores: o movimento harmônico de coisas e cores é forma sadia de desenvolver sua capacidade de perceber. A TV utiliza esse fato biológico para confundir, fazendo com que suas imagens não demorem na tela, via de regra, mais que alguns segundos fugidios.
Não permitir que os telespectadores vejam as imagens que olham – esse é um princípio básico da hipnose televisiva : forçar o olhar sem ver.
O olhar, sem passar pela consciência, transporta ao cérebro a ordem: compre!
*
Onde se expande o medo e a insegurança causados pelo sistema socioeconômico em que vive a maioria das nossas populações aí se expandem as igrejas inventadas por qualquer autodenominado bispo ou pastor. Começam do nada – basta uma sala ou barraco em área pobre –, e podem crescer numerosas e fortes, pelo número de seus integrantes, oferecendo maior segurança espiritual onde nenhuma segurança material existe.
AUGUSTO BOAL (1931-2009)

**
Bem, terminei de ler o livro do Boal. Apresentado como  ‘projeto teórico e programa político com o propósito de estimular o pensamento estético por meio do acesso à produção artística’.
Até aí, para mim, tudo certo ...
Entendi como tema principal a liberdade de cada um, individual mesmo. Entretanto, percebi claramente alusões a regimes políticos em que a liberdade tem sentido ampliado e a ‘opressão’ praticada por determinado grupo pretende destruir essa individualidade.
Nesse caso, no meu entender, há uma saída pela tangente, o projeto ‘teatral’ transformando-se em bandeira partidária. Meu interesse diminuiu mas continuei lendo.
Confirmei meu entendimento pelo tom levemente, sutilmente panfletário na descrição minuciosa de vários exemplos de ‘opressores’ da criatividade.
De uma certa forma, ressuscita exaltando figuras de heróis temporários e, ao mesmo tempo,  aceita o pensamento de Brecht quando este diz “infeliz a sociedade que precisa de heróis”.

Enfim, valeu porque a leitura sempre vale a pena.
Gosto de conhecer diferentes e mesmo conflitantes modos de pensar - mesmo porque sempre existirão - o que não torna, absolutamente, impossível a convivência.
“O que seria do azul se todos gostassem apenas do amarelo?”

Sueli, junho 2018
*            *            *

quarta-feira, 23 de maio de 2018

"Nunca te vi, sempre te amei..."

Publicação do amigo Renato Martini -  página facebook em 23 de maio 2018

Nirton Venancio
21 de maio às 22:06

NUNCA TE VI, SEMPRE TE AMEI

Ela nasceu no Rio Grande do Norte e morava desde os pequenos 11 anos em Curitiba. 
Ela era formada em Letras. 
Ela era pesquisadora da obra de Osman Lins. 
Ela publicou ótimos livros de poesia. 
Ela escrevia poemas belos e sofridos. 
Ela conversava comigo, contigo, com quem ouvisse seus versos. 
Ela auscultava o coração do leitor. 
Ela tinha livros de contos. Ela escreveu uma peça de teatro. Ela tinha um blog que não atualizava há dois anos. Ela não tinha Facebook. 
Ela teve sua obra publicada no México. 
Ela coordenou o projeto Translações: Literatura em Trânsito. 
Ela participava do Coletivo Escritoras Suicidas. 
Ela indagou num poema “correr para onde, se é dentro o labirinto? ”
Ela decidiu não se tratar de um câncer no intestino. 
Ela tinha 49 anos. Ela tinha um nome diferente, Assionara Souza
Ela também se chamava Nara. 

Ela faleceu hoje de madrugada. 
Seu corpo será cremado. Seus livros, não. 
Ela poderá ser esquecida. Sua poesia será sempre lembrada.

Ela tem um verso que (agora) diz: “Não mais escrevo poemas, meu bem / sentir e dizer o que sinto / é tudo o que sei e faço”
Ela tem outro verso que agora digo: “Lembrei do quanto amo teu abraço mar em torno da ilha de minha tristeza”.

Eu nunca a vi, sempre a amei no abraço de seus poemas.



*            *            *

quarta-feira, 16 de maio de 2018

"Sem Excelências e Mordomias" - Luciano Trigo

Portal G1 – Globo, coluna LUCIANO TRIGO

Por estranho que possa parecer a um brasileiro, existe um país onde os políticos ganham pouco, andam de ônibus, cozinham sua própria comida, lavam e passam suas roupas e são tratados por “você”. 
É esta a realidade que a jornalista CLAUDIA WALLIN descreve no livro “Um País Sem Excelências e Mordomias” (Geração Editorial). 


Livro de Claudia Wallin,

Radicada na Suécia depois de trabalhar 10 anos em Londres, Claudia registra conversas com deputados que desconhecem mordomias e o tratamento de “Excelência”, que não aumentam o próprio salário e – acreditem – não entraram na vida pública para enriquecer ou levar vantagem. E explica como funciona o sistema político sueco, baseado em três pilares: transparência, educação e igualdade. 
Por tudo isso, trata-se de uma leitura capaz de provocar vergonha e raiva no leitor e no eleitor brasileiro – dois sentimentos que podem ser um bom começo para a mudança.
 *
Entrevista com a autora:

 - Quais são as diferenças mais chocantes entre as rotinas de um político eleito na Suécia e de um político eleito no Brasil?

Claudia Wallin: A Suécia não oferece luxo ou privilégios aos seus políticos, ao contrário do Brasil. Parlamentares suecos vão de ônibus para o trabalho, e viram manchete de jornal quando se atrevem a pegar um táxi com o dinheiro do contribuinte. Vivem em apartamentos funcionais que chegam a ter 18 metros quadrados, e onde não há comodidades como máquina de lavar – as lavanderias são comunitárias. 
O ministro sueco Anders Borg, que em 2011 foi eleito pelo jornal britânico ”Financial Times” como o melhor ministro das Finanças da Europa, vive na capital em um apartamento conjugado de cerca de 25 metros quadrados. 
Nenhum deputado sueco tem direito a pensão vitalícia, plano de saúde privada nem imunidade parlamentar. Nenhum político sueco tem o privilégio fabuloso de poder aumentar o próprio salário. 
Parlamentares suecos trabalham em gabinetes de cerca de 15 metros quadrados, e não têm direito a secretária, assessor nem motorista particular. 
Vereadores suecos não recebem sequer salário, e não têm direito a gabinete – trabalham de casa. Na concepção sueca, sistemas que concedem privilégios e regalias aos políticos são perigosos. Porque transformam políticos em uma espécie de classe superior, que não sabe como vivem os cidadãos comuns. Dessa maneira, conforme sublinham vários políticos suecos, cria-se uma distância entre o povo e seus representantes, o que por sua vez gera um sentimento de desconfiança e descrença da população em relação aos políticos.

- Que interpretação você faz dessas diferenças? Quais são as raízes históricas e culturais que levaram a modelos tão diferentes?

Claudia: A Suécia tem uma história marcada por uma longa tradição de democracia, e por um forte sentimento de igualdade entre as pessoas. Mesmo durante o período de poder monárquico, ao lado do rei sempre existiu um parlamento, e já na Idade Média havia a participação de pessoas comuns e camponeses nas assembleias políticas, ao lado do clero e da nobreza. 
Ao longo dos tempos, foi preciso lutar contra o poder do rei e os privilégios da nobreza. O rei perdeu todos os poderes na década de 70, e o desenvolvimento da democracia sempre esteve associado aos valores igualitários da sociedade sueca: ninguém deve ser melhor do que ninguém, e isso inclui a classe política. 
Políticos suecos sabem que não estão no poder para enriquecer, e sim para representar os interesses da sociedade como um todo.  
Já no Brasil, ainda vigoram o conceito patrimonialista e os privilégios políticos que marcaram o processo de formação do Estado brasileiro, com a visão de que a coisa pública não é de ninguém. O interessante é notar que a Suécia, que juridicamente ainda é uma monarquia, conseguiu concretizar o ideal republicano. O Brasil, que formalmente é uma república, ainda é um país de súditos.

- Na Suécia um deputado só ganha 50% a mais que um professor primário. O investimento na educação explica o grau de consciência cidadã dos suecos – da mesma forma que a falta de investimento em educação explica o atraso dos brasileiros?

Claudia: A educação é um dos pilares fundamentais da democracia sueca, e a base de todo grande salto no processo de desenvolvimento democrático de uma sociedade. Na Suécia, o ensino é gratuito e de qualidade para todos até a universidade, o que sem dúvida se reflete no alto grau de conscientização política dos cidadãos. 
Existe uma clara consciência aqui de que os políticos são eleitos para servir, e não para serem servidos. 
Política também não é algo que se discute apenas em ano de eleição, e embora o voto não seja obrigatório na Suécia, o índice de comparecimento às urnas no país tem se situado historicamente entre 80% e 90%. E esta sociedade mais consciente não dá privilégios aos seus políticos, nem aceita os desvios do poder. 
Os movimentos de grupos organizados da sociedade civil também foram essenciais para o processo gradual de construção da cidadania na Suécia, assim como as políticas igualitárias de inclusão, que possibilitaram o acesso de todos os cidadãos a serviços básicos de qualidade e reforçaram a noção de que todos têm os mesmos direitos. 
À medida que o Brasil avançar em suas políticas de educação e inclusão social, certamente vai estar formando uma sociedade mais consciente a respeito da importância da política, e também mais exigente em relação aos seus representantes políticos.

- Qual a motivação para um sueco entrar para a política, sendo uma carreira que traz tão poucas recompensas?

Claudia: A real motivação de qualquer cidadão para entrar na política deve ser o poder de influenciar os rumos de uma sociedade e as decisões que beneficiam o interesse coletivo, e é isso que a maioria dos suecos parece privilegiar. 
Para aqueles que atingem o topo da carreira política, como por exemplo é o caso do exercício de cargos ministeriais, os salários também estão bem acima da média salarial da população. E é claro que o poder sempre exerce fascínio. 
Mas na Suécia, o poder político exclui a obtenção automática de privilégios pessoais pagos com o dinheiro do cidadão, como passear de jatinhos ou helicópteros com a família, a babá e o cachorro.  Porque os suecos não querem ver seus políticos levando uma vida de luxo. É como resumiu um sueco que entrevistei em uma rua de Estocolmo: ”Sou eu que pago os políticos. E não vejo razão nenhuma para dar a eles uma vida de luxo”. 
E é como destacou um dos deputados suecos com quem conversei, a respeito da ausência de regalias políticas na Suécia: "Para ter o respeito dos cidadãos que representamos, é preciso usar o dinheiro dos contribuintes de forma sensata. Há pessoas desempregadas e outros problemas em nosso país, e penso que o dinheiro público deve ser usado de forma mais inteligente. Nós vivemos como pessoas normais." Ingvar Carlsson [ex-primeiro-ministro sueco] estava sempre no ponto de ônibus quando saía do trabalho. Na semana passada, eu o vi na mesma parada de ônibus. Você caminha pelas ruas e vê ministros andando. Todos vivem vidas normais.”

- Que visão os suecos têm da política brasileira? Eles têm consciência dos privilégios da nossa classe política e da corrupção endêmica em nosso país?

Claudia: Na verdade, não existe na Suécia um conhecimento detalhado da realidade política brasileira. O que posso dizer é que vi muitas sobrancelhas levantadas e várias expressões de perplexidade, quando citei alguns privilégios políticos brasileiros e casos de corrupção durante as conversas que mantive com políticos, cientistas sociais, jornalistas e juízes suecos no processo de elaboração do livro. 
Na concepção dos suecos, usar o dinheiro dos impostos para conceder privilégios e regalias aos políticos é uma afronta, e um desrespeito ao dinheiro dos contribuintes. 
Quando perguntei ao primeiro-ministro sueco qual era a opinião dele sobre os privilégios políticos de países como o Brasil, ele disse o seguinte: ”Em primeiro lugar, é muito importante dizer que respeito o fato de que o Brasil é uma democracia e que portanto cabe àqueles que são eleitos pelo povo responder a este tipo de questão. Mas para dizer o óbvio, se eu fosse o ministro da Fazenda do Brasil e tivesse que fazer um corte de gastos, eu saberia exatamente por onde começar. Porque quando um político precisa cortar gastos, é muito importante mostrar que ele próprio dá o exemplo. No nosso país, as pessoas estão sempre atentas aos custos da burocracia e da classe política. Se um político quer manter a confiança dos eleitores, deve estar próximo das pessoas.”

- O que acontece com deputados flagrados em casos de corrupção na Suécia?

Claudia: Em primeiro lugar, toda e qualquer quantia indevidamente apropriada por um político deve ser imediatamente devolvida aos cofres púbicos. Em segundo lugar, começa o processo mais temido por um político sueco: a execração pública na mídia, que inevitavelmente ceifa as chances de uma reeleição. 
Um dos casos que eu narro no livro é o de um ex-líder do Partido Social-Democrata, que renunciou na esteira de um escândalo provocado pela revelação de que a companheira dele não pagava para morar no apartamento funcional onde viviam. Sim, porque na Suécia o Estado só paga apartamento funcional na capital para o político: se a esposa decide morar lá, tem que pagar pela metade do valor do aluguel. O líder jurou que não sabia das regras, mas pagou prontamente todo o dinheiro devido aos cofres públicos – e sumiu nas sombras do partido. 
Outro exemplo é o caso das duas ministras obrigadas a renunciar em 2006 poucos dias após sua nomeação, diante de revelações de que haviam empregado babás sem recolher os devidos impostos: pagaram o que deviam, e abandonaram a carreira política. 
A lei sueca não prevê penas especialmente duras para casos de corrupção política. Mas como diz o diretor da Agência Nacional Anti-Corrupção sueca, quem pune políticos corruptos é a opinião pública. Políticos corruptos não são reeleitos na Suécia, o que naturalmente é reflexo do nível de escolaridade e conscientização política do eleitorado.

- Num país onde os políticos são honestos e não têm privilégios, quais são os grandes temas dos debates em época de eleição? Os conceitos de esquerda e direita ainda têm valor na Suécia?

Claudia: É preciso dizer que o estilo sueco de fazer campanha eleitoral é marcado pelo debate exaustivo e detalhado de propostas concretas de governo, e pela  ausência de ataques pessoais entre adversários. Candidatos em geral não se atacam, e não se atracam. 
Existe um respeito comum à democracia, que é também uma exigência do eleitorado: várias pesquisas apontam que o eleitor sueco costuma punir nas urnas os candidatos que assumem atitudes mais duras contra seus oponentes.  
Na campanha das eleições gerais realizada este mês, um dos principais temas do debate foram as propostas para a geração de empregos, diante do nível de desemprego particularmente alto entre os jovens. Outro tema central foi a educação – os suecos querem melhores resultados no desempenho escolar, e a redução do número de alunos por turma nas salas de aula. Mas a questão da imigração foi um dos temas mais polêmicos na profusão de debates e duelos políticos diários, diante do número cada vez maior de refugiados que chegam ao país fugindo dos conflitos no Oriente Médio – mais 80 mil são esperados este ano – e do crescimento do apoio ao partido da extrema-direita, o Sverigedemokraterna (”Democratas da Suécia”) – que, após as eleições, diante de uma Suécia em choque, acabou se tornando o terceiro maior partido do país. 
Ideologicamente, os conceitos de esquerda e direita ainda vigoram, embora haja uma tendência acentuada dos principais partidos políticos em direção ao centro. A social-democracia sueca, que tenta agora formar um governo após uma apertada vitória eleitoral, mantém sua visão essencialmente igualitária de país: uma sociedade com a menor distância possível entre ricos e pobres, e também com a menor distância possível entre aqueles que detêm e o poder e os que lhes dão poder através do voto.

- Você acredita que algum dia a democracia no Brasil chegará perto desse grau de civilização da Suécia? Por onde começar?

Claudia: É importante destacar que os suecos não são melhores do que ninguém: o ser humano é o mesmo. O livro mostra que a Suécia já foi um país bastante corrupto, e há pouco mais de cem anos era um dos países mais pobres e atrasados da Europa. 
O que os suecos fizeram foi transformar a sua própria história, através de investimentos maciços em educação e pesquisa, de políticas de promoção da igualdade social e de uma série de reformas abrangentes que aperfeiçoaram gradualmente as instituições do país. 
Hoje, a Suécia é uma das mais ricas e prósperas nações industrializadas do mundo, um dos países menos corruptos do mundo, e uma sociedade que não aceita os desvios do poder. 
E se a Suécia transformou a própria história, o Brasil também pode melhorar a sua.  
O caminho passa pelo maior acesso da população a uma educação de qualidade, pela maior conscientização popular sobre a importância da participação política, e por reformas relevantes nas instituições do país, como a reforma política. 
É também preciso reconhecer os avanços que têm sido feitos, como a lei da transparência e a lei anticorrupção. Mas será preciso também mudar uma mentalidade.


*            *            *

domingo, 13 de maio de 2018

A canção de qualquer mãe - Lya Luft

‘A Canção de Qualquer Mãe’ 
Lya Luft

Resultado de imagem para mãe

Que nossa vida, meus filhos, tecida de encontros e desencontros, como a de todo mundo, tenha por baixo um rio de águas generosas, um entendimento acima das palavras e um afeto além dos gestos – algo que só pode nascer entre nós. 
Que quando eu me aproxime, meu filho, você não se encolha nem um milímetro com medo de voltar a ser menino, você que já é um homem. 
Que quando eu a olhe, minha filha, você não se sinta criticada ou avaliada, mas simplesmente adorada, como desde o primeiro instante.

Que, quando se lembrarem de sua infância, não recordem os dias difíceis (vocês nem sabiam), o trabalho cansativo, a saúde não tão boa, o casamento numa pequena ou grande crise, os nervos à flor da pele – aqueles dias em que, até hoje arrependida, dei um tapa que ainda agora dói em mim, ou disse uma palavra injusta. 
Lembrem-se dos deliciosos momentos em família, das risadas, das histórias na hora de dormir, do bolo que embatumou, mas que vocês, pequenos, comeram dizendo que estava maravilhoso. 
Que pensando em sua adolescência não recordem minhas distrações, minhas imperfeições e impropriedades, mas as caminhadas pela praia, o sorvete na esquina, a lição de casa na mesa de jantar, a sensação de aconchego, sentados na sala cada um com sua ocupação.

Que quando precisarem de mim, meus filhos, vocês nunca hesitem em chamar: mãe! 
Seja para prender um botão de camisa, ficar com uma criança, segurar a mão, tentar fazer baixar a febre, socorrer com qualquer tipo de recurso, ou apenas escutar alguma queixa ou preocupação. Não é preciso constrangerem-se de ser filhos querendo mãe, só porque vocês também já estão grisalhos, ou com filhos crescidos, com suas alegrias e dores, como eu tenho e tive as minhas. 
Que, independendo da hora e do lugar, a gente se sinta bem pensando no outro. Que essa consciência faça expandir-se a vida e o coração, na certeza de que aquela pessoa, seja onde for, vai saber entender; o que não entender vai absorver; e o que não absorver vai enfeitar e tornar bom.

Que quando nos afastarmos isso seja sem dilaceramento, ainda que com passageira tristeza, porque todos devem seguir seu caminho, mesmo que isso signifique alguma distância: e que todo reencontro seja de grandes abraços e boas risadas. Esse é um tipo de amor que independe de presença e tempo. 
Que quando estivermos juntos vocês encarem com algum bom humor e muita naturalidade se houver raízes grisalhas no meu cabelo, se eu começar a repetir histórias, e se tantas vezes só de olhar para vocês meus olhos se encherem de lágrimas: serão apenas de alegria porque vocês estão aí. 
Que quando pareço mais cansada vocês não tenham receio de que eu precise de mais ajuda do que vocês podem me dar: provavelmente não precisarei de mais apoio do que do seu carinho, da sua atenção natural e jamais forçada. E, se precisar de mais que isso, não se culpem se por vezes for difícil, ou trabalhoso ou tedioso, se lhes causar susto ou dor: as coisas são assim. 
Que, se um dia eu começar a me confundir, esse eventual efeito de um longo tempo de vida não os assuste: tentem entrar no meu novo mundo, sem drama nem culpa, mesmo quando se impacientarem. Toda a transformação do nascimento à morte é um dom da natureza, e uma forma de crescimento.

Que em qualquer momento, meus filhos, sendo eu qualquer mãe, de qualquer raça, credo, idade ou instrução, vocês possam perceber em mim, ainda que numa cintilação breve, a inapagável sensação de quando vocês foram colocados pela primeira vez nos meus braços: misto de susto, plenitude e ternura, maior e mais importante do que todas as glórias da arte e da ciência, mais sério do que as tentativas dos filósofos de explicar os enigmas da existência. 
A sensação que vinha do seu cheiro, da sua pele, de seu rostinho, e da consciência de que ali havia, a partir de mim e desse amor, uma nova pessoa, com seu destino e sua vida, nesta bela e complicada terra. 
E assim sendo, meus filhos, vocês terão sempre me dado muito mais do que esperei ou mereci ou imaginei ter.
*            *            *

Originalmente publicada na coluna da autora na 'Revista Veja',  em  12 de maio de 2010.

domingo, 8 de abril de 2018

Termo de rendição - 07 de abril 2018

Não exposição pública: bastidores do histórico termo de rendição de Lula
Estadão Conteúdo - 08/04/18 - 08h31


Luiz Inácio Lula da Silva rendeu-se à Operação Lava Jato quase 50 horas após decretada sua prisão, para início de cumprimento da pena de 12 anos e 1 mês, em regime fechado, por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso triplex do Guarujá (SP).

Com o mandado expedido às 17h50 da quinta-feira, 5 de abril, pelo juiz federal Sérgio Fernando Moro – dos processos originários da Lava Jato -, a Polícia Federal buscou o petista no Sindicato dos Bancários do ABC, em São Bernardo do Campo (SP).

Eram 18h46 quando o petista deixou o prédio onde ficou aquartelado desde que soube da ordem judicial. Caminhando seguiu para uma gráfica onde entrou em uma viatura preta descaracterizada. Homens do Comando de Operações Táticas (COT), o batalhão de elite da PF que é acionado em situações excepcionais, aguardava para seguir em comboio, em forte esquema de segurança, digno de chefe de Estado, ao seu compromisso com a Justiça.

Eram 20h46 quando Lula seguiu em um avião do aeroporto de Congonhas, com destino a Curitiba, berço da Lava Jato, onde uma sala reservada na Superintendência da PF para seu encarceramento, espécie de sala de Estado-maior, segundo Moro, o esperava. Carregando a própria mala onde levou as roupas que usará como detento, embarcou em uma aeronave de pequeno porte.

O roteiro da mais emblemática prisão – das 227 – decretada por Moro nos quatro anos de Lava Jato foi o ponto final do processo do triplex: em que o ex-presidente foi condenado por ter recebido R$ 3,2 milhões em propinas da OAS em reformas e equipamentos no imóvel, que seria propriedade do petista oculta em nome da empresa.

Condenado no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), de Porto Alegre, a segunda instância da Lava Jato, em dia 24 de janeiro, a corte determinou a execução provisória da pena, assim que esgotados os recursos na Corte – o que ocorreu em 26 de março. O cumprimento da ordem, no entanto, ficou suspenso até o último dia 5, por força de habeas corpus movido pela defesa do ex-presidente no Supremo Tribunal Federal (STF). Com sua rejeição, foi dado o “cumpra-se” para a PF.

Por força da “dignidade do cargo que ocupou”, o juiz da Lava Jato deu 24 horas para o ex-presidente se entregar voluntariamente em Curitiba.

Vencido o prazo, às 17h01 da sexta-feira, 6, a PF tinha em mãos a ordem para cumprir o decreto no momento que entendesse oportuno, caso o petista não honrasse o acordado nas tratativas abertas na véspera da rendição. Não o fez.

Por intermédio do superintendente da PF em São Paulo, Disney Rossetti, os emissários de Lula – o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, o deputado Wadih Damous e o ex-deputado Sigmaringa Seixas – iniciaram tratativas com o comando da polícia do Paraná para a rendição. Um contato feito no meio da tarde de sexta, quando o prazo se esgotava, sob uma perspectiva distinta da estipulada no despacho da Justiça de 24 horas para uma apresentação voluntária.

O que era para ser os acertos finais de operacionalização da chegada do ex-presidente, para espontaneamente se entregar à Justiça, virou uma negociação por condições da rendição e a forma de tratamento dispensada a ele. 
Aos 72 anos Lula busca – ou buscava – um terceiro mandato, encabeça um movimento de fortes ataques à Lava Jato e seus artífices e é alvo ainda de outros processos e investigações.

Por isso, nas decisões de Lula pesaram de um lado a questão política, de outro, a jurídica. O ex-presidente não queria passar a imagem de que foi subjugado pelo juiz Sérgio Moro, preocupado com as repercussões eleitorais e históricas, mas foi alertado por advogados que “o jogo não acaba agora”.

Do segundo andar da PF em Curitiba, o superintendente do Paraná, Maurício Valeixo, e o chefe da Lava Jato, Igor Romário de Paula, discutiram os termos da rendição, seguindo tratativas até pelo menos as 21h da quinta. O dia terminou com a definição de que o condenado se entregaria, sob condições que terminariam de ser “ajustadas” na manhã de ontem.

A principal delas, aceita pela polícia: que participasse da missa pela ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro de 2017, marcada para as 9h30 de ontem, na sede do sindicato, e o direito de fazer seu último discurso, transformado em comício – em que atacou Moro, o Ministério Público Federal, a PF e a imprensa.

A exposição de sua imagem durante a prisão foi outra exigência colocada nas tratativas dos emissários de Lula com a PF, nessa histórica rendição do mais importante presidente do Brasil, desde a redemocratização.

Lula exigiu que a polícia não fizesse exposição de sua imagem à imprensa, no ato da rendição e na transferência. Pediu ainda carros descaracterizados para fazer sua escolta do sindicato até à superintendência da PF, em São Paulo, de onde foi de helicóptero para Congonhas, e que não houvesse policiais fortemente armados o conduzindo.

No mês em que completa 38 anos que foi preso pela primeira vez – a primeira foi em 19 de abril de 1980 – pelo regime militar como líder sindical, Lula tentou resistir até onde pode à prisão.

No último comício antes de voltar para a cadeia, dessa vez alvo de um processo legal, acusado de corrupção e lavagem, o petista atacou o suposto “sonho” da Lava Jato e de órgãos da imprensa de ver a “foto de Lula preso”. Segundo ele, “tanto o TRF-4, quanto o Moro, a Lava Jato e a Globo” têm como “sonho de consumo” que “Lula não possa ser candidato a presidente da República em 2018” e “a fotografia do Lula preso”.

Foi quando declarou oficialmente aos apoiadores que cercavam o sindicato desde a quinta-feira, em um cordão de isolamento humano montado para evitar a prisão do petista.

Mais importante réu da Lava Jato, a preocupação com a exposição da imagem de Lula, no entanto, antecedeu os pedidos dos emissários do ex-presidente. O tema era tratado desde a escolha pela PF como local onde o petista deveria se apresentar, assim que fosse executada a sentença do TRF-4.

O uso de algemas, por exemplo, foi impedido por ordem de Moro no despacho.

A escolha da sala para encarcerar o petista também envolveu a preocupação com a imagem do condenado. Durante os meses de fevereiro e março, equipes da PF avaliaram a possibilidade de uso de uma sala no andar da Custódia – o segundo piso do prédio – onde ficam os presos, afastado, que poderia ser usado como sala de Estado Maior. A exigência era ter banheiro, sem grades de cela, ou outro equipamento ostensivo de contenção. O local deixou de ser opção exatamente por ser de maior acesso público e ter risco de exposição da imagem.

A alternativa encontrada, no quarto andar, antigo alojamento de policiais, foi considerada pelo comando do grupo que discutia o assunto como ideal, entre outras coisas, por ser isolado do prédio e ter menor risco de exposição da imagem de Lula.

Na sala especial que abrigará Lula, ele chegará pelo heliponto e entrará direto ao cárcere. Não terá que passar por guaritas, corredores, nem se expor ao público. É a primeira vez nos quatro anos de Lava Jato que o deslocamento do aeroporto para o prédio no bairro Santa Cândida é feito via aérea.

A sala em que Lula ficará é bem diferente de uma cela, é um dormitório simples, com banheiro próprio, pia, privada, uma cama com colchão e um armário embutido – de 15 metros quadrados. É um ambiente espartano, não há distrações, mas também, bem diferente do frio e do cinza empoeirado da carceragem, onde dormem dois ex-companheiros de partido e governo: o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-diretor da Petrobrás Renato Duque.

Num ponto elevado de Curitiba, as noites são frias no Santa Cândida, onde está a PF. Pela manhã deste domingo, Lula, o mais novo preso da Lava Jato, tomará o primeiro desjejum dos presos: café com leite e pão com manteiga. Se dormirá, não se pode dizer ainda. A região é silenciosa em dias normais e, de onde ficará, internamente é impossível se ouvir o ronco e os sons noturnos dos demais presos – os comuns.

Quase todos os presos falam durante a noite e deliram”, diz Alieksandr Pietróvitch, personagem – e assassino confesso da própria mulher – do escritor russo Fiódor Dostoiévski em Memórias da Casa dos Mortos para narrar um dos períodos mais sombrios de sua vida: os quatro anos de prisão na Sibéria, depois de ter sido condenado ao fuzilamento por suas ideias “revolucionarias” e escapar da morte faltando minutos de execução da pena – convertida em trabalho forçado na prisão.

Para Lula, é certo que o barulho de curiosos que cercam a PF, à espreita de seu encarceramento, as quase 50 horas de resistência e os minutos finais da rendição, são sons que ecoarão ainda por algumas noites na sala especial reservada ao petista, que aos 72 anos, passou sua primeira noite na prisão da Lava Jato.
*            *            *

Observando o Circo Político - 07 de abril 2018

Fui e sou frequentemente chamada de 'isentona', "centrona", tudo "ona"... Ainda bem.
Sempre desconfiei e continuo desconfiando dos extremos - e extremistas, da radicalidade - e dos radicais.
Costumo dizer que se eu me importasse em estar 'dentro dos padrões' - esses mesmos padrões por um lado combatidos de forma insana, apenas para demonstrar autonomia e/ou rebeldia, afirmação não sei de que posicionamento - e nem me interessa - sem uma honesta avaliação de causas e consequências, eu poderia, sim, estar a favor ou contra qualquer coisa. Não estou. Não quero estar.
No fim e ao cabo, devo prestar contas a mim mesma. É comigo que estive ao nascer e é assim também que estarei ao encerrar meu ciclo vital.
Penso que estamos aqui - neste mundo, vivendo nesta sociedade - não apenas 'buscando um sentido' (pobre filosofia servindo aos que se consideram puros e melhores) mas num exercício constante de afinação da capacidade de pensar e sentir, de tentativas, de erros e acertos -  conceitos esses estipulados por essa mesma sociedade que precisa, sim, de uma certa organização com suas leis e regras determinadas em consenso, portanto fazendo-se valer nas situações conflitantes.
Não é isso o que estamos vivendo.
Discordâncias existem, podendo e devendo ser debatidas e analisadas para que haja alguma evolução no estabelecimento desse aglomerado de seres da mesma espécie. Repito: da mesma espécie. A esta espécie nominada humana, foram conferidos atributos diferentes das demais.
Não quero nem posso continuar escrevendo. Envergonhada demais. Apenas concluo:
Precisamos observar melhor e tentar aprender com as 'demais espécies'. A nossa vem radicalizando...
**
Ah, apenas para me afirmar como "centrona" : No episódio circense destes últimos dias, concordo com a decisão em relação ao ex-presidente. O circo foi armado por ele.
Apenas  me demito da função de palhaço.

*               *               *
Resultado de imagem para circo Brasil

quinta-feira, 15 de março de 2018

Humana Matemática

Resultado de imagem para CÁLCULOS MATEMÁTICOS

Sou ‘de Humanas’ por vocação, tendência, intuição, escolha, genética (não... genética eu penso que não) enfim, sei lá por quê. Só sei que prefiro ‘trabalhar com miçangas’ sim e me encantar com o imponderável;  os mistérios aguçam-me os sentidos.
Assim, a matemática sendo para mim também um mistério, estranhamente me atraí.
Respeito, admiração, assombro mesmo, diante das mentes que elucidam e coordenam esse aprendizado.

Penso aqui em Guimarães Rosa – “Eu quase que nada não sei, mas desconfio de muita coisa” – enquanto leio Edward Frenkel, um matemático americano nascido em Kolomna, em 02 de maio de 1968, na Rússia.
Ele trabalha com teoria de representação, geometria algébrica e física matemática.
Professor de matemática da Universidade da Califórnia em Berkeley e membro da Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos .

O que está fazendo Guimarães Rosa no meio dessa conversa?  Olhem aí o que diz o matemático:

“(...) Um cérebro não é só um conjunto de neurônios. Há uma energia que está em movimento, não está localizada num ponto. Não é possível agarrar um humano e transformá-lo numa máquina. É como tentar captar a essência de um ser humano através de uma fotografia.
Até mesmo na Matemática, há um elemento de imprevisibilidade, de espontaneidade, de pureza que transcende qualquer computador. Nenhuma descoberta matemática se assenta apenas no pensamento racional. Há sempre uma outra parte — podemos chamar-lhe inspiração, insight, intuição, instinto que só existe em nós e que nenhuma máquina poderá reproduzir.”
EDWARD FRENKEL
**
Sueli, 15 de março, 2018

*            *            *

quarta-feira, 14 de março de 2018

Aurora Boreal

Do site UOL,em 14 de março 2018


Aurora boreal colore céu de Lietzen, na Alemanha. 

O fenômeno, mais comum em países nórdicos, é produzido por partículas de vento solar canalizadas pelo campo magnético terrestre 

Uma corrente de vento solar chegará à Terra na quarta-feira (14), um fenômeno que pode afetar as telecomunicações e provocar efeitos naturais como auroras boreais, segundo informou a UNAM (Universidade Nacional Autônoma do México).
**
MISTÉRIO DA AURORA - Às vezes, em uma noite escura perto dos polos, aparece no céu um brilho difuso verde, roxo ou vermelho. Diferentemente dos longos e brilhantes véus das auroras típicas, as chamadas auroras pulsantes são muito mais fracas e menos comuns na Terra. Não é novidade a relação desses fenômenos com a atividade solar, mas o mecanismo era, até então, desconhecido. Segundo os pesquisadores, a bolha magnética da Terra --chamada de magnetosfera-- contém um tipo específico de onda de plasma que é capaz de perturbar os elétrons, e assim, causando as auroras pulsantes. A descoberta foi publicada na revista Nature.

*            *            *

quinta-feira, 1 de março de 2018

Antes tarde...



Ah, só agora?! 
Hoje moro no maior sossego mas já suportei coisas inomináveis - Joelma, da extinta Calypso, berrando das 8 às 20 horas, Paula Fernandes gemendo o tempo todo em alto som; festinhas 'regadas' a tudo e que varavam a madrugada - em um lugar que todos pensam ser calmo. 
Sem falar nos gritos e palavrões. E o canil em pleno bairro residencial? Sim, um CA-NIL (tudo na mesma rua, na mesma casa, ao lado da minha), sem licença, sem higiene, sem cuidados - nem era clandestino, uma vez que certas 'autoridades' da chamada cidade sabiam. Acho que ainda está lá...

A cidade, privilegiada com paisagens naturais deslumbrantes merece mais cuidado e respeito por parte da população - incluindo os governantes que seguindo a 'regra geral' estão pouco ou nada preocupados com a situação. Uma pena.

*     *     *